LOADING

Type to search

Share

ShowImage.aspxOlá internautas, Éverton Veras de volta com mais THANOS! Da última vez, ele parecia ter morrido pelas mãos do Capitão Marvel. Agora iniciamos a edição 3 que, pasmem… não tem o Thanos! Mas como assim? Ele morreu mesmo?! Eu também estranhei, mas é compreensível. Aqui veremos, na verdade, o surgimento do novo oponente intergaláctico de Thanos: ADAM WARLOCK, que até onde eu li, torna-se parte crucial da vida do titã louco. O engraçado é que, falando de dados reais, na verdade Warlock foi criado ainda antes de Thanos, em 1967, por ninguém menos que Stan Lee e Jack Kirby, na revista do Quarteto fantástico! Thanos, como vocês já conferiram no outro post, surgiu em 1973 na revista do Homem de Ferro.

Warlock, que ao ser criado não tinha nem nome, é o resultado de um experimento que fugiu ao controle de um grupo de cientistas que se denominavam “Colméia”. Através da ajuda da escultora cega Alícia Masters, namorada do Coisa, do Quarteto Fantástico, eles buscaram recuperar tal controle. Ele seria o primeiro de uma raça de novos humanos perfeitos (e controlados por eles, é claro). Ao ser encontrado por Alícia (a única que conseguia se aproximar dele, que lançava luzes cegantes), a criatura sem nome estava dentro de um casulo bizarro. (Com tanta gente cega no mundo, os “geniais” cientistas resolvem sequestrar uma pessoa famosa. Quadrinhos de super-heroi são  isso, né?) O Quarteto invade a Colméia e resgata Alicia, não ficando para ver a destruição do lugar após o rompimento do casulo. Deste sai um homem loiro, de pele dourada, que sabe das maldades de seus criadores e decide acabar com suas vidas ali mesmo. Poderia ter sido o fim de Warlock também… mas não foi.

T5Lee e Kirby voltaram ao personagem sem nome dois anos depois, nas revistas The Mighty Thor 165 e 166, em 1969. Agora ele passaria a ser conhecido como… “Ele”! Aqui é explicado que, após destruir seu local de nascimento, “Ele” sentiu-se enojado pelo que fizera e decidiu não ter mais contato com a raça humana, isolando-se no espaço. Lá, ele foi pego numa colisão de asteróides e salvo pelo Vigia, sendo enviado de volta à Terra dentro de um satélite artificial americano. Assim, ele foi resgatado e despertado por Thor, sua amada Sif e seu amigo Balder. “Ele” sentia-se solitário, então desejou Sif e teve que enfrentar a fúria de Thor em modo berserk! Depois de uma grande batalha, “Ele” só não morreu porque outra vez enrolou-se em sua crisálida e voltou ao espaço. E é aqui que as coisas começam a acontecer de verdade para ele.

Mais dois anos se passaram, e em 1971 sai a revista Marvel Premiere, com a chamada “The power of… WARLOCK” na capa. Nesta HQ eu conheci o Alto Evolucionário, do qual já ouvira falar, mas nunca tinha visto. Sua estação espacial estava próxima da Terra, e o casulo que vagava sem rumo, foi trazido à bordo. Estudando-o, o Alto Evolucionário fez contato com a mente de “Ele”, descobriu sobre suas decepções com os humanos e lhe contou sua própria história. Quase um deus, ele tinha a intenção de criar uma nova Terra livre da maldade, mas seus planos foram atrapalhados por uma de suas próprias criações, a raça dos “Novos Homens” animais evoluídos para formas quase humanas. Vendo a raça maldita tentar destruir o próprio criador, “Ele” deixa seu casulo, já com sua roupinha de “super-heroi”, e salva o Alto Evolucionário. Os Novos Homens fogem para a “Contraterra” que este acabara de criar, mas resolvera destruir. “Ele” pede-lhe que não o faça, pois gostaria de tentar salvá-la da ação de suas crias malignas. Para ajudá-lo, um emocionado alto Evolucionário presenteia “Ele” com uma estranha “jóia espiritual” (“Soul Gem” no original), que carrega muitos poderes e também um terrível segredo.
Após viver muitas aventuras digamos “menores” (embora um pouco polêmicas e que ficam pra um próximo post sobre Warlock!), o personagem chega em 1975 às mãos de ninguém menos que Jim Starlin, o criador de Thanos, na revista Strange Tales 178. Mais uma vez, o amargurado Warlock vagava pelo espaço, quando foi encontrado por uma mulher perseguida por um grupo de fanáticos religiosos. Ela queria sua ajuda para acabar com uma ameaça interplanetária chamada “Magus“. Warlock não consegue impedir a morte dela e nem a fuga de seus assassinos. Inconformado, ele usa os estranhos poderes de sua jóia espiritual e faz contato com a alma da jovem morta, que lhe conta sobre Magus e sua “Irmandade Universal da Verdade”. Essa seita subjuga e domina as mais diversas raças através do cosmo, destruindo aqueles que resistem à conquista, ou os que não se encaixam nos padrões de “pureza” exigidos (aqueles não humanoides são escravizados ou usados como matéria prima).

Só isto já seria sufiT4ciente para fazer Warlock caçar Magus pelo universo, mas Starlin não apenas criou um problema interessante e com fundo realista (o fanatismo como perigo para todos), mas complicou a vida do heroi ao revelar que Magus, na verdade, era o próprio Warlock no futuro. Com a nobreza característica dos super-herois, Warlock decide dar um fim à tirania de Magus… mesmo que isso signifique acabar com a própria vida. Em sua busca, ele é capturado por uma nave da Irmandade, onde ajuda prisioneiros a fugirem e tem uma luta mortal com o comandante Autolycus. Aqui pela primeira vez a jóia espiritual na testa de Warlock mostra realmente a que veio! Ela o defende da morte certa, arrancando a alma do comandante, sem que Warlock possa fazer nada a não ser ficar horrorizado. De posse da alma do inimigo abatido, Warlock tem acesso a todas as suas memórias e sensações. Sentindo-se culpado, ele toma uma nave menor para si e é acompanhado por Pip, um “troll” espacial que é um dos últimos descendentes de sua raça, que havia sido dominada por Magus. Juntos eles partem para o centro de ação da Irmandade Universal da Verdade, o “Planeta Mestre”. Nesta navinha, Warlock dá “um tapa” no visual, assumindo uma capa e retirando do peito o símbolo do relâmpago. Pessoalmente, acho que assim ficou melhor!

T2Já no planeta, Warlock tenta se livrar da influência da jóia espiritual, que parecia descontrolada. Ao tentar retirá-la do corpo, ele descobre que, pouco a pouco, o uso contínuo da jóia por anos a fio cobrara um alto preço: sua própria alma foi sendo sugada lentamente para dentro da jóia, e ela não era mais capaz de sobreviver sem ela! Ele encontra então a sede da Irmandade, onde acaba feito prisioneiro e sofrendo um processo de lavagem cerebral. E enquanto isso, era procurado por Pip e a misteriosa Gamora, a “mulher mais perigosa da galáxia”, segundo a mesma. Ela também tem interesse na destruição de Magus e quer o auxílio do heroi. Gamora e Pip conseguem invadir a sede da irmandade e alcançar Warlock, que vencera o condicionamento mental da Irmandade, como ninguém mais tinha feito antes. Agora que havia enfrentado seus demônios interiores, ele compreendia melhor as motivações de Magus. É quando o vilão resolve se revelar para os herois.
Por hora é isso, gente! O próximo post será a conclusão da série em cinco edições “A Saga de Thanos”! Estejam lá!

Tags: