Uma Odisséia a Caminho dos 50 Anos

Em 3 de abril de 1968, estreava oficialmente nos cinemas dos Estados Unidos o filme 2001: Uma Odisséia no Espaço (No original 2001: A Space Odyssey – EUA/1968). Filme divisor de águas, por ter sido o primeiro filme hollywoodiano de ficção cientifica que mostrava o potencial verdadeiro desse gênero, que na literatura já tinha mostrado suas qualidades e possibilidades em diversas obras, e que no cinema ainda carecia de uma obra artística/narrativa de qualidade absoluta, até o aparecimento de 2001. 

                                                     

Foto: Set de filmagem de 2001.

     

                                                                                            

Foto: Kubrick e Clark no set de 2001.

2001 nasceu de uma parceria entre o perfeccionista cineasta Stanley Kubrick (1928-1999) e do genial escritor de ficção cientifica Arthur C. Clarke (1917-2008). O filme foi parcialmente inspirado no conto A Sentinela de Clarke, que fora lido por Kubrick. Mas o roteiro que se tornou a base do filme, foi escrito simultaneamente por Kubrick e Clarke, que em um jogo de trocas de ideias, conceberam juntos um filme referencial não só para cineastas, mas também para diversos jovens escritores que apareceriam após sua estreia.

 

Cartaz de 2001

O filme foi quase em sua totalidade gravado na Inglaterra, onde residia Kubrick a época, nos estúdios da MGM-British Studios e da Shepperton Studios. Os temas tratados no filme são: Existencialismo, Evolução humana, Tecnologia, inteligência artificial e vida  extraterrestre. Apesar de sua introdução começar com as famosas cenas do que parece ser os primeiros passos de uma embrionária sociedade humana primitiva. Ele se centra realmente em uma viajem a Júpiter, onde o computador Hall 9000 descobre um misterioso monólito de cor preta que afeta a evolução da humanidade.

 

O diferencial técnico de 2001: está na sua descrição cientifica de voos espaciais, seus efeitos especiais inovadores, imagens ambíguas, som e diálogos mínimos e em sua narrativa visual guiada por músicas clássicas antigas e novas. Que são elementos técnicos utilizados até hoje em diversos filmes do gênero.

 

O filme foi financiado e distribuído pelo estúdio americano MGM (Metro-Goldwyn-Mayer). E para receber também apoio financeiro do governo Britânico, foi tomado vários cuidados por parte da produção, como contratação de atores e técnicos britânicos, para assim provar que era um filme daquele país.

 

Foto: Hall 9000

 

Com o lançamento oficial do filme no ano 1968 (o livro foi lançado logo em seguida), dividiu a opinião da crítica especializada, se tornou um filme cult em pouco tempo e foi a maior bilheteria americana daquele ano. Com o sucesso obtido, teve quatro indicações ao prêmio Oscar, em categorias técnicos, a qual só ganhou a de Efeitos Visuais.

Decorrido quase 50 anos de seu lançamento, 2001 até hoje assombra milhares de pessoas que o assistem. Seus efeitos e seus temas ainda conseguem suscitar uma reflexão: “Afinal… De onde viemos, onde estamos e para onde vamos.”                                                                                                       

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *